5 de dez de 2013

Artigo: A importância do ensino bíblico na igreja de ontem e de hoje

A importância do ensino bíblico na igreja de ontem e de hoje


Paulo, escrevendo a Timóteo, assevera que as Sagradas Escrituras são divinamente inspiradas é proveitosas para ensinar, redarguir, replicar, corrigir, instruir com justiça.

Conheço pessoas que dirigem carro, porém não são e nunca serão bons motoristas. Assim como muitos falam inglês, mas não dominam o idioma. A grande preocupação de Paulo era: aprenda a manejar bem a Palavra da Verdade. Ela não deve servir apenas para animar, aconselhar, mas deve ser um manual de instrução para exercermos nosso ministério, as atividades na Igreja e o nosso relacionamento com Deus.

Portanto, meu irmão, mergulhe neste oceano de riquezas e conhecimentos, e você terá uma vida abençoada por Deus! Isso não significa que temos de saber tudo, ao ponto de até traduzir o barulho das águas quando correm ou como se chamam as flores na linguagem das abelhas, ou o que dizem os pássaros quando saltitam nas ramagens dos arvoredos. Necessitamos saber o que dizemos e dizer o que sabemos.

Na época de Paulo e Timóteo, não havia seminários, Escolas Teológicas e Faculdades Evangélicas. Os apóstolos tinham que ganhar vidas pra Jesus e ensiná-las a ser crentes e obreiros eficientes. Sabemos que foram muitas as perseguições e sofrimentos experimentados pelos servos de Deus no passado, mas os imprevistos não foram capazes de inibir o crescimento da Obra de Deus. Deus levantou muitos grandes e talentosos ensinadores, e foi o tempo em que mais a Igreja cresceu, comparado com outras fases da história do cristianismo. Hoje, vemos alguns pastores criando seus próprios métodos, usando toda técnica oferecida pela tecnologia moderna em detrimento da oração e do estudo da Palavra de Deus.

Manejar bem a Palavra da Verdade é imprescindível. Napoleon Hill escreveu o livro Pense e Fique Rico, que vendeu 7 milhões de exemplares. A sua mensagem central é “Tudo o que a mente humana é capaz de crer, a mente humana pode conseguir”. É uma doutrina da Teologia da Prosperidade. Os teólogos chamam de “Atitude Mental Positiva”. Os homens pensam poder obrigar Deus a fazer o que eles crêem e pensam. Daí surgirem pregadores determinando: “Eu profetizo que Deus vai fazer isto ou aquilo”. Quando Tiago disse: “Se Deus quiser...” (Tg 4.13-15).

E o que dizer da doutrina do G12? A fogueira santa, regressão psicológica, confissão positiva,
mandar em Deus, maldição hereditária, teologia da prosperidade, cura interior, cair no espírito, unção do riso, vomitório etc. Onde estão os que manejam bem a Palavra da Verdade? Já tem até “anjas” acenando atrás de pregadores e aparição de “Anjos” determinando e orientando tudo na liturgia (Cl 2.18).

O resultado é o declínio espiritual. Os crentes se associam com os prazeres mundanos por
falta de quem saiba manejar a Palavra da Verdade. Irmão, nas tempestades acontecidas no mar da vida, de nada adianta o seu “barco” ter uma bonita pintura ou até um timão de ouro. Se não tiver estrutura forte, não suportará o vendaval e naufragará. Nos dias de Paulo, já existiam Himeneu e Alexandre (1Tm 1.20). Paulo os entregou a Santanás. Cuidado irmãos com estes manejadores, alguns já naufragaram na fé.



Pastor José Wellington Bezerra da Costa
Presidente da AD em São Paulo, da CONFRADESP e da CGADB